Olhos moles, alma forte

{dezembro de 2010}

Reprodução/AB.
.
.

Ela tem lugar garantido na lista das figuras femininas mais importantes do século passado. De aparência e personalidade marcantes, era “a nova mulher brasileira”, segundo o poeta Augusto de Campos. Além de causar burburinho entre o grupo dos modernistas, do qual foi proclamada musa, entregou-se à vida de corpo e alma.
.
.

.
Enquanto artistas e intelectuais proclamavam o Modernismo brasileiro, Patrícia Galvão era apenas uma garota de 12 anos. É verdade que já fugia dos padrões do lugar em que vivia ao falar palavrões, usar transparências e cabelos eriçados. Mas, apesar de não muito longe do bairro industrial do Brás, a Semana de Arte Moderna de 1922 acontecia alheia à menina de olhar distante. Seis anos se passariam até que ela estivesse entre eles.
A defesa então era pela Antropofagia: que a cultura brasileira não ficasse isolada, abandonada ao tempo, mas continuasse se renovando com as influências estrangeiras. A normalista que enchia cadernos de escritos e publicava artigos no jornal do bairro foi apresentada ao grupo pelo poeta Raul Bopp. E logo apadrinhada pelo casal Oswald de Andrade e Tarsila do Amaral. Moça firme dos olhos caídos, lábios pintados de batom escuro, quase roxo, tornou-se musa do movimento. Pagu tem os olhos moles / uns olhos de fazer doer / Bate-coco quando passa / Coração pega a bater / Eh Pague eh! / Dói porque é bom fazer doer, escreveu Bopp. O poeta usou a alcunha Pagu por achar que a moça deveria adotar como nome artístico a primeira sílaba do nome e do sobrenome – ignorando o fato de ela se chamar Patrícia Galvão, e não Patrícia Goulart…
Mas o fato é que Pagu ficou. E ela acabou casando-se com Oswald, 20 anos mais velho, que se separou de Tarsila. Para agravar o caso já controverso para a sociedade de 1930, celebraram a união em frente aos túmulos da família do noivo, no cemitério da Consolação. No mesmo ano, nasceu o filho do casal, Rudá de Andrade.
Nova mulher brasileira
A marca como mulher forte e desejada, no entanto, não é o único nem o maior trunfo de Pagu. Ela fez história própria e foi das principais figuras femininas do século passado. Não à toa, Rita Lee e Zélia Duncan dedicaram a ela uma canção: Não sou atriz, modelo ou dançarina / Meu buraco é mais em cima / Sou rainha do meu tanque / Sou Pagu indignada no palanque.
O poeta Augusto de Campos, seu biógrafo, a anuncia como símbolo da “nova mulher brasileira, sensível, politizada, desreprimida”. E reconhece que seu valor como personagem é maior do que sua obra: “A peripécia política, poética e existencial é que faz dela uma figura fascinante. Pagu foi revolucionária na política, na arte e na prática da vida”.
Ela fez de tudo um pouco. A maior parte da obra está espalhada por artigos de jornal. Produziu críticas literárias e traduziu autores como James Joyce, inédito na época. Depois que morreu, em 12 de dezembro de 1962, os filhos descobriram até histórias policiais criadas por ela, assinadas com pseudônimos e publicadas por Nelson Rodrigues.
Pavio aceso
No movimento Antropofágico, de 1928, Pagu colaborou com artigos e desenhos, além de escrever com Oswald o caderno O Romance da Época Anarquista ou As Horas de Pagu que São Minhas. O casal ainda redigia A Hora do Povo, um jornal panfletário, depois de aderir ao Partido Comunista.
Um encontro com Luís Carlos Prestes, nesse período, mudaria radicalmente a vida da recém-casada. Pagu era um pavio esperando algo que a acendesse, e ali estava a fórmula: “Convicção, grandiosidade do sacrifício e, principalmente, pureza”, dizia o líder comunista.
A musa modernista já não aturava mais as rodas de comunistas nos cafés. Queria agir de verdade, entre o povo, e se colocou à disposição do Partido. Em um comício em Santos, foi presa pela primeira vez – ao longo da vida, seria detida 23 vezes. No Rio de Janeiro, trabalhou como operária em situação de miséria, com posição de destaque entre os líderes comunistas das fábricas. Apesar da recusa do Partido por qualquer tipo de trabalho intelectual, escreveu nesse período sua maior obra literária. Parque Industrial (1933) é um romance urbano, marxista e feminista. Retrata de forma crua a vida dos operários, sem esconder a linguagem do povo e a sexualidade. Quem assina, por ordens partidárias, é o pseudônimo Mara Lobo.

.
.
.
.

Depois de abandonar a condição de musa modernista, trabalhou como operária, foi líder trabalhista, escreveu um romance marxista e feminista. Foi presa 23 vezes.

.

.

Retalhos de azul
Uma menina esfarrapada, na praça Vermelha, em Moscou, pedia esmola ao lado do túmulo de Lênin. A cena abalou as convicções de Pagu, mas ela seguiu viagem. Trabalhava como correspondente no Oriente de vários jornais brasileiros. Foi a única latina presente na coroação do último imperador japonês. Por sua amizade com ele, conseguiu trazer soja para ser plantada no Brasil. Ao atuar pelo PC na França, acabou expatriada. Passou então pela prisão mais longa, de cinco anos, naquele tempo de Estado Novo.
A Famosa Revista, segundo e último romance de Pagu, deixa clara a mudança na vida dela. Em 1945, já separada de Oswald e casada há cinco anos com o jornalista Geraldo Ferraz, escreve com ele o que representa a nova crença. Candidata a deputada pelo Partido Socialista Brasileiro, anuncia: “Depois das rajadas de tempestade, colaremos nas retinas úmidas os últimos retalhos de azul”.
Viveu os últimos anos em Santos, adorando o mar e agitando a cultura da cidade. O foco agora era o teatro. Levou para os palcos do litoral paulista gente como Plínio Marcos, Sérgio Mamberti e Zé Celso Martinez Corrêa. Até o fim, era a Pagu que ela mesma havia definido uma vez: “Mulher de ferro com zonas erógenas e aparelho digestivo”.
SAIBA MAIS Paixão Pagu: A autobiografia precoce de Patrícia Galvão (Agir, 2005). Pagu: Vida e obra, de Augusto de Campos (Brasiliense, 1982).

http://www.almanaquebrasil.com.br/ilustres-brasileiros/olhos-moles-alma-forte/